registro sindical

Erro pode atrasar em 2 anos registro sindical

A Federação dos Metalúrgicos da CUT de Minas Gerais (FEM/CUT-MG) participou da oficina de registro sindical realizada pela Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT-MG), nessa quarta-feira (16), no auditório da Central.

O assessor da Secretaria de Organização e Política Sindical da CUT Nacional, Cláudio Peronico, ressaltou a importância de um dirigente sindical está bem informado.

Segundo ele, um pequeno erro na documentação pode acarretar um atraso de 2 anos no processo de registro sindical. ” As dúvidas mais comuns dos sindicatos são como trabalhar a questão dos editais e das atas, seja de fundação, seja de posse da diretoria”, disse Cláudio.

Outro ponto de debate foi sobre a portaria 326, que altera algumas regras para o registro sindical. Segundo o assessor da CUT, “a principal novidade são as questões de documentação, como o PIS, que tem que entrar o da nova diretoria, e estas informações têm que constar em atas registradas. Porque, às vezes, tem a informação, mas as atas não estão registradas. Toda documentação tem que ser alterada e registrada no Ministério do Trabalho. Não adianta fazer uma publicação só em cartório e não entrar com as novidades junto ao Ministério do Trabalho”, afirmou

Wilton Gonçalves, José Wagner, Maria Ferreira, Antônia de Jesus e Valdinei Ferreira participaram do encontro.

Comentários foram encerrados.