terceirização

Estudo mostra perfil dos metalúrgicos admitidos e desligados entre 2015 e 2016

Trabalho realizado pelo Dieese, subseção da FEM/CUT-MG, revela a movimentação do emprego no ramo metalúrgico em Minas no período de 2015 e 2016.

De acordo com os dados do CAGED/MTE, de janeiro de 2015 a junho de 2016, foram eliminados 43.838 postos de trabalho no ramo metalúrgico mineiro, resultado da diferença entre 98.082 trabalhadores admitidos e 141.920 trabalhadores desligados.

Ao analisar a média salarial dos admitidos e desligados no ramo metalúrgico mineiro, tanto no ano de 2015 quanto para o ano de 2016 (até o mês de junho), observa-se uma diferença significativa entre a remuneração média dos admitidos e desligados. Verifica-se que no ano de 2015 os trabalhadores admitidos no período receberam em média 30,8% a menos que os desligados. No ano de 2016, observa-se que a diferença de remuneração média entre admitidos e desligados, aumentou para 54,3%.

No período considerado, 47,1 % da perda de postos de trabalho no ramo metalúrgico do Estado de Minas Gerais aconteceu entre os trabalhadores negros. Importante destacar que a participação dos trabalhadores negros no ramo metalúrgico do Estado de Minas Gerais até o ano de 2014, era de 41,4%.

A maior parte dos desligamentos ocorre antes dos dois anos de emprego, tanto para o ano de 2015 (62,2%) quanto para o ano de 2016 (56,2%). No entanto, no ano de 2016, verifica-se que o percentual de desligamentos entre os trabalhadores com 3 anos ou mais de emprego (32,8%) aumentou em relação ao percentual do ano de 2015 (27,8%).

Ao observar os desligamentos por faixa etária, o percentual de trabalhadores desligados no ano de 2016 com 30 anos ou mais (56,8%), aumentou em relação ao ano de 2015 (52,1%).

Em relação à escolaridade dos trabalhadores desligados no período de 2015 e 2016, pode-se perceber que no ano de 2016, o percentual dos desligamentos entre os trabalhadores mais escolarizados (maior ou igual ensino médio completo), 65,8%, aumentou em relação ao ano de 2015, que representou em torno de 62,4% dos desligamentos.

Em relação aos desligamentos por tamanho das empresas, verifica-se que tanto para o ano de 2015 quanto para o ano de 2016, a maior percentual dos desligamentos concentram-se em empresas com 50 trabalhadores ou mais.

Nos 18 meses observados, com início em janeiro de 2015 a junho de 2016, ocorreram 141.920 desligamentos de trabalhadores no ramo metalúrgico do Estado de Minas Gerais. Ao considerarmos que no ano de 2014 o total de metalúrgicos em Minas Gerais, alcançou 264.709 trabalhadores, os desligamentos observados nos anos de 2015 e 2016 são muito relevantes em relação ao total de trabalhadores do ramo.

Também deve-se considerar que no período analisado houve um grande rebaixamento dos salários da categoria no Estado, ao considerar a diferença do salário médio entre admitidos e desligados no período. O salário médio dos admitidos no ano de 2015 foi 30,8% a menos que os desligados no mesmo período, e no ano de 2016 os admitidos no período receberam em média 54,3% a menos que os desligados no período considerado.

Comentários foram encerrados.