seminario terceirização

FEM/CUT-MG participa de seminário sobre terceirização em Brasília

wilton e ferreiraOs metalúrgicos de Minas estão representados no seminário sobre terceirização, realizado em Brasília, pelos dirigentes da FEM/CUT-MG Wilton Gonçalves, secretário geral, e Maria Ferreira, secretária de mulheres.

O Seminário A Terceirização no Brasil: impactos, resistências e lutas, organizado pelo Fórum Nacional do Trabalho, acontece nos dias 14 e 15 de agosto no auditório do Ministério Público do Distrito Federal.

Várias organizações sociais, sindicatos e órgãos público do Governo Federal estão representados pelas mais de 500 pessoas que participam do encontro.

Os debatedores são pessoas graduadas no mundo do trabalho. Entre eles, têm membros do Tribunal Superior do Trabalho, procuradores do Tribunal do Trabalho, juízes, desembargadores, organização internacional do trabalho, SESIT/UNICAMP , membros dos poderes da República Federal e muitos outros. Todos esses debatedores fizerem uma exposição do fenômeno mundial que está destruindo os direitos trabalhistas por meio da terceirização.

Segundo Wilton, a terceirização é uma obra maldita do capitalismo mundial, que ha vários anos tem priorizado o massacre contra os trabalhadores, retirando direitos e precarizando o local de trabalho.

“Hoje, só para se ter uma ideia, nas grandes empresas pública e privadas no Brasil, 80% dos trabalhadores são terceirizados, trabalhando em condições bem inferiores do que os trabalhadores efetivados e tendo um salário 67% menor”, disse o dirigente Wilton.

O objetivo do seminário é encontrar uma forma de enfrentar, junto com os trabalhadores e os órgãos públicos federal, os ataques aos direitos dos trabalhadores cometidos por meio da terceirização, bem como resguardar os direitos adquiridos.

“Vamos fazer uma grande luta a nível nacional contra a PL4330, que objetiva regulamentar a terceirização. Segundo disse o deputado federal Ricardo Francisco, este projeto de lei ainda pode voltar a ser debatido no Congresso Federal este ano”, disse Ferreira.

A Federação dos Metalúrgicos da CUT de Minas Gerais levará essa discussão para todos os sindicatos, com o objetivo de ampliar o debate em torno desse sistema que só tem prejudicado a classe trabalhadora, que é a terceirização.

Comentários foram encerrados.