Aerial view taken with a drone of a gasometer of Brazilian steel producer Usiminas after it was partially destroyed by a large explosion in Ipatinga, Minas Gerais state, Brazil on August 11, 2018. 
Around 30 people were injured in an explosion Friday at a factory of Usiminas -one of the largest steel producers in the Americas- in the southeastern state of Minas Gerais.
 / AFP PHOTO / Nilmar LAGE

FEM/CUT-MG se solidariza com trabalhadores da Usiminas

Em menos de cinco dias três acidentes graves ligou o sinal de alerta dos trabalhadores da Usiminas, em Ipatinga, no Vale do Aço. No fim da manhã dessa segunda-feira, 13 de agosto, um eletricista de 36 anos, que fazia serviço de manutenção programada no local se acidentou e precisou ter o braço direito amputado e seu estado de saúde é grave.

Na última quarta-feira, 8 de agosto, um homem de 38 anos morreu quanto prestava serviço de manutenção no equipamento de despoeiramento da Usiminas. Na sexta-feira, 10, 34 trabalhadores ficaram feridos quando o gasômetro da siderúrgica explodiu.
Diante desses tristes acontecimentos, a Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT Minas se solidariza com os trabalhadores e trabalhadoras da Usiminas.

Este é o resultado da terceirização indiscriminada e a reforma trabalhista que destrói direitos básicos da classe trabalhadora. Segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT), no último ano, foram registradas 2.351 mortes e mais de 700 mil acidentes de trabalho no Brasil, sendo a maioria de trabalhadores terceirizados.

É inadmissível que acidentes desta natureza continuem acontecendo sem que as empresas adotem medidas efetivas de segurança e saúde em suas unidades. O lucro das empresas não pode se sobrepor à vida de trabalhadores e trabalhadoras!

Comentários foram encerrados.