Ato leila de Libra_Tania Rego_ABr_13823628171427964843000

Greve dos petroleiros contra leilão de Libra e por avanços na campanha salarial segue firme em todo o país

Mobilização segue firme e categoria promove atos no Rio e em Brasília nesta segunda (21)

Os petroleiros mantêm mobilização contra leilão de Libra deve ocorrer hoje. (Foto: FUP)

Os petroleiros mantêm mobilização contra leilão de Libra deve ocorrer hoje. (Foto: FUP)

Os petroleiros iniciaram a segunda-feira (21), quinto dia de greve, com mobilizações surpresa, contra a realização do leilão do campo de Libra, previsto para hoje, no Rio de Janeiro, em repúdio ao PL 4330 e, por avanços no ACT 2013, que voltou a ser negociado nesta segunda, entre a FUP e Petrobrás.
Os atos já começaram na maioria das unidades operacionais e administrativas, onde os trabalhadores próprios e terceirizados permanecem de braços cruzados desde a última quinta-feira, 17.

No Norte Fluminense, os petroleiros realizaram um trancaço desde às 6h, na base do Parque de Tubos, em Macaé, onde todas as entradas da unidade foram fechadas.

Em Duque de Caxias, os petroleiros em greve estão fechando a BR040, rodovia que dá acesso à Reduc, para se manifestarem contra o leilão.

Em Brasília, os petroleiros e movimentos sociais, que estão acampados em frente ao Congresso Nacional desde o dia 02, fizeram um ato em frente à sede na Petrobrás no DF, intensificando a exigência do cancelamento do leilão.

No Rio de Janeiro, também haverá manifestações contra leilão de Libra, mesmo com todo o esquema de guerra montado pelo governo. Caravanas com petroleiros de várias bases da FUP se somarão ao ato que os movimentos sociais convocaram para a Barra da Tijuca, no Rio, em frente ao Hotel Windsor, onde a ANP pretende realizar o leilão.

O quinto dia de greve dos petroleiros continua forte, com novas adesões de trabalhadores. Em São Paulo, todas as bases operacionais (refinarias e terminais) estão com adesão de 100% dos trabalhadores próprios e terceirizados. Hoje, na Replan, cerca de três mil terceirizados decidiram, em assembléia, se somarem à greve nacional, segundo informações do Sindipetro Unificado de São Paulo.

Em Pernambuco, no Terminal de Suape, os trabalhadores continuam interrompendo o descarregamento de óleo do navio Airis, que seria distribuído pelo terminal para as termoelétricas do interior do estado.

No Ceará, os trabalhadores da Lubnor (Fábrica de Lubrificantes do Ceará), aderiram à greve à zero hora desta segunda-feira.

Cárcere privado

Na Bacia de Campos, em pelo menos 13 plataformas ainda há petroleiros grevistas mantidos em cárcere privado.O número de trabalhadores que aderiram à greve e solicitaram desembarque chega a 209, segundo informações do Sindipetro NF, que já denunciou o fato à Justiça do Trabalho e à Polícia Civil. Há também denúncias de cárcere privado nas refinarias e terminais do Sistema Petrobrás.

Interditos proibitórios

Na Bahia, o sindicato foi informado que dois desembargadores do TRT-BA, concederam dois interditos proibitórios com multa diária de R$ 500 mil ao Sindipetro-BA. Apesar de mais uma ação antissindical da empresa, os trabalhadores próprios e terceirizados continuam intensificando a greve. Segundo o Sindipetro-BA, será feita uma denuncia sobre o fato à OIT e, os petroleiros farão um ato de repúdio aos interditos, em frente ao TRT.

QUADRO NACIONAL DA GREVE NAS BASES DA FUP

Plataformas e campos terrestres

Bacia de Campos: 42 plataformas.

Bahia: campos de produção terrestre de Miranga, Bálsamo, Araçás, Taquipe, Buracica, Candeias e 22 poços do Ativo Norte.

Rio Grande do Norte: 22 plataformas marítimas e campos terrestres de Alto do Rodrigues, Campo do Amaro, Riacho da Forquilha, Base 34 e Campo de Estreito.

No Espírito Santo: estação Fazenda Alegre e SM-8.

Refinarias

Estão parados os trabalhadores das refinarias de Duque de Caxias (Reduc/RJ), Manaus (Reman/AM), Paulínia (Replan/SP), Mauá (Recap/SP), Mataripe (Rlam/BA), Gabriel Passos (Regap/MG), Paraná (Repar), Alberto Pasqualine (Refap/RS), Abreu e Lima (Pernambuco), Potiguar Clara Camarão (RPCC/RN) além da SIX (usina de Xisto/PR) e da FAFEN (fábrica de fertilizantes/BA), Lubnor (fábrica de Fertilizantes do CE).

Transpetro

Na Transpetro, a greve atinge os terminais de Solimões (AM), Suape (PE), Jaboatão (PE), Madre de Deus (BA), Campos Elíseos (Duque de Caxias/RJ), Cabiúnas (Macaé/RJ), Guararema (SP), Guarulhos (SP), São Caetano (SP), Barueri (SP), São Francisco do Sul (SC), Itajaí (SC), Guaramirim (SC), Biguaçu (SC), Paranaguá (PR), Osório (RS), Canoas (RS) e Rio Grande (RS).

Gás, Biodiesel e Termoelétricas

Unidade de Tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC/ES); malha do gás de São Paulo; usinas de Biodiesel da Bahia e de Montes Claros (MG); Termorio (Duque de Caxias), Termoeletrica Aureliano Chaves (MG) e Termoelétrica de Sepé Tiaraju (RS).

Fonte: Federação Única dos Petroleiros (FUP)

Comentários foram encerrados.