industriall

IndustriALL: 1.300 sindicalistas de todo o mundo se reúnem em Congresso no RJ

Mais de 1.300 sindicalistas de 140 países se reúnem entre os próximos dias 4 e 7, no Rio de Janeiro, no 2º Congresso da IndustriALL Global Union, a federação internacional dos trabalhadores na indústria. Desse total, 150 são metalúrgicos e metalúrgicas da CUT de todo o Brasil. A abertura do evento, no início da noite de terça (4), será feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Congresso debaterá o plano de ação global da entidade, focado na luta contra a precarização do trabalho e na liberdade para a ação sindical e será precedido de encontro do Comitê de Mulheres e de Juventude (na segunda, dia 3) e de conferências regionais: África, América do Norte e América Latina (as três na segunda), Ásia e Europa (na tarça, dia 4, antes da abertura). Ao final, os delegados elegerão a nova direção da federação internacional para mandato de quatro anos.

A IndustriALL nasceu em 2012, a partir da fusão de três federações internacionais de trabalhadores: Fitim (que representava os metalúrgicos), o ICEM (de químicos, petroleiros e trabalhadores em energia) e FITTVC (têxteis e vestuário).

A Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT) atuou decisivamente para que essa nova entidade mundial dos trabalhadores na indústria fosse criada e passasse a atuar globalmente, particularmente em ações voltadas às multinacionais. E, pela importância do Brasil no cenário mundial, dois metalúrgicos cutistas passaram a integrar a primeira direção da IndustriALL: Fernando Lopes (ex-presidente da CNM/CUT) e João Cayres (secretário geral da CUT/SP e, na época, secretário de Relações Internacionais da CNM/CUT).

Parcerias
De lá para cá, várias parcerias foram feitas entre a CNM/CUT e a IndustriALL, entre elas projeto de formação de jovens lideranças sindicais e programa de formação de mulheres metalúrgicas de Moçambique, além de ações para fortalecer as redes sindicais em multinacionais e o debate de políticas setoriais, como na indústria automobilística e na siderurgia.

No âmbito mundial, a federação internacional também teve papel de destaque na luta por emprego decente, combatendo o trabalho precário, na articulação de Acordos Marco Globais em multinacionais como a Volkswagen e ações para garantir a livre atuação dos sindicatos em vários países.

“Com a globalização da economia, a luta sindical também teve de ser globalizada. Assim, a criação da IndustriALL foi fundamental para que os trabalhadores na indústria se unissem e tivessem respaldo e solidariedade internacional em suas lutas”, avaliou Paulo Cayres, presidente da Confederação.

Por isso, segundo ele, a CNM/CUT se dedicou muito para viabilizar o 2º Congresso da entidade no Brasil. “E a IndustriALL entendeu que o evento no Rio de Janeiro será uma forma do sindicalismo de todos os continentes apoiarem as lutas dos trabalhadores brasileiros contra os ataques que vêm sofrendo dos empresários e do governo golpista”, esclareceu, completando: “Não é à toa que o slogan do Congresso é ‘A Luta Continua’”.

(Fonte: Assessoria de Imprensa da CNM/CUT)

Comentários foram encerrados.