metalurgicoscominicação

Metalúrgicos da CUT decidem criar rede nacional de comunicação

Para disseminar notícias sobre os metalúrgicos da CUT de todas as regiões do país, dirigentes e jornalistas dos sindicatos, federações e da Confederação Nacional (CNM/CUT) decidiram criar uma rede de comunicação da categoria.

A decisão foi tomada nesta quarta-feira (1º), ao final do Seminário Nacional de Comunicação dos Metalúrgicos da CUT, iniciado ontem (31), em São Bernardo do Campo (SP) na sede da CNM/CUT, promotora do evento.

Para dar início a esta rede de comunicação, os participantes decidiram que este portal da CNM/CUT funcionará como uma espécie de agência de notícias dos metalúrgicos da CUT.

Assim, as notícias dos sindicatos de base e das Federações, além do conteúdo produzido pela equipe de jornalistas da Confederação, serão disponibilizadas neste portal. “Será o primeiro passo para que os mais de 80 sindicatos e as federações cutistas de nossa categoria possam acompanhar e também reproduzir as informações do que acontece em cada base”, explicou Cláudia Albertina, secretária de Comunicação da CNM/CUT.

“A tarefa de todos aqui é garantir que em 30 dias esta rede já esteja funcionando e que, a cada mês, pelo menos um conteúdo nacional também seja reproduzido nos veículos locais”, destacou o presidente da Confederação, Paulo Cayres.

Ao longo dos dois dias do Seminário, mais de 50 pessoas de 22 entidades da categoria de todo Brasil acompanharam painéis e debateram os desafios em relação à comunicação sindical do ramo. Ontem, a luta pela democratização da comunicação no Brasil foi foco dos debates (confira aqui), assim como o papel das redes sociais para disseminar informações (leia mais abaixo).

Os participantes também debateram as experiências de comunicação desenvolvidas pelas suas entidades, destacando ações de sucesso e as dificuldades enfrentadas.

Comunicação de massa

Na manhã de hoje, o Seminário foi retomado com um painel sobre os veículos de comunicação de massa dos trabalhadores. Participaram da mesa Bia Pasqualino, editora chefe do website Brasil de Fato, Paulo Salvador, diretor da Rede Brasil Atual e da coordenação da TVT (TV dos Trabalhadores) e Eduardo Guimarães, responsável pelo Blog da Cidadania e um dos criadores do Movimento dos Sem-Mídia. A mediação foi feita pela secretária de Igualdade Racial da CNM/CUT, Christiane dos Santos.

Para Bia, a luta de classe também acontece nos meios de comunicação. “A burguesia sabe se comunicar muito bem. Nós, trabalhadores, ainda estamos aprendendo novas linguagens e projetos visuais, aprimorando o que já existe em comunicação”, disse. “A proposta do Brasil de Fato é defender os direitos e os projetos da classe trabalhadora e trazer notícias que a grande mídia não divulga”, completou a jornalista. Além da versão online, o Brasil de Fato também tem edições impressas com distribuição gratuita em algumas capitais e está presente também nas redes sociais.

Paulo Salvador destacou a conquista da TVT para a comunicação como alternativa às grandes emissoras. “A TVT é a primeira emissora que tem o comando de trabalhadores. Ela é resultado da luta por uma mídia que traga o nosso olhar para o cotidiano e a conjuntura. Mas para que a igualdade no acesso aos meios seja real, a democratização dos meios de comunicação é fundamental. Ela é um dos principais passos para consolidar a democracia brasileira. A TVT é instrumento de uma luta social para transformar e influenciar a sociedade, papel que a Rede Brasil Atual também exerce, assim como a Revista do Brasil e a Rádio Brasil Atual, que são outros veículos mantidos por nós”, afirmou.

Em sua intervenção, Guimarães afirmou que os blogs são mecanismos fundamentais para fazer a contraposição à grande imprensa. “O uso do blog é a principal ferramenta para driblar o bloqueio midiático a determinados assuntos e combater a concentração dos veículos de comunicação no país”, contou. Para ele, os blogs têm exercido um papel eficiente para desmascarar a manipulação da informação cada vez maior dos veículos tradicionais de informação. “A direita é desorganizada e acaba se perdendo na defesa de suas propostas. Assim, os veículos de comunicação assumiram a tarefa de ‘organizar’ a direita”, avaliou.

Redes sociais

Na tarde de ontem, o jornalista especializado em marketing digital Gustavo Mello conduziu um painel em formato de aula interativa sobre o uso das chamadas Redes Sociais. Em sua exposição, Mello assinalou que as redes têm se mostrado como meios poderosos para fazer a contraposição às mentiras disseminadas pela direita e seus veículos tradicionais.

O jornalista atuou na comunicação digital no segundo turno da campanha de reeleição da presidenta Dilma Rousseff e também do Partido dos Trabalhadores.

Ele apresentou uma série de exemplos de como desmentir ou desconstruir conceitos retrógrados com rapidez, por meio de ações de humor, como memes (banners com imagem e pequenos textos veiculados nas redes sociais) e charges. “O humor é ótima ferramenta para essa contraposição e acaba viralizando, ou seja, sendo reproduzido com rapidez e em grande escala”, avaliou.

Encontros regionais

A partir da experiência do Seminário Nacional, os participantes decidiram ainda realizar encontros e oficinas regionais, para consolidar o projeto da rede de notícias e aprofundar o debate sobre a comunicação sindical. “Vamos construir um calendário para que este debate sobre comunicação ganhe cada vez mais importância no nosso meio e para envolver efetivamente os dirigentes sindicais e os jornalistas das entidades neste projeto”, destacou Cláudia Albertina.

Ao final da atividade, os jornalistas e sindicalistas visitaram as instalações da TVT, que também fica em São Bernardo do Campo.

(Fonte: Shayane Servilha e Solange do Espírito Santo –  Assessoria de Imprensa da CNM/CUT)

Comentários foram encerrados.