femindustriall

Metalúrgicos de Minas participam do 2º Congresso da IndustriAll

A Federação dos Metalúrgicos da CUT de Minas participou do 2º Congresso da IndustriALL Global Union, encerrado na sexta-feira (7), no Rio de Janeiro. Ao longo de quatro dias, mais de 1.400 sindicalistas de 122 países de todos os continentes se uniram numa grande jornada em defesa dos trabalhadores na indústria e debateram ações unitárias para lutar contra a desigualdade de direitos nas plantas de multinacionais no mundo, para reafirmar a necessidade da atuação autônoma e livre das entidades sindicais e aprofundar a discussão sobre a política de gênero e da juventude, entre outros temas.

Da FEM/CUT-MG participaram o presidente, Marco Antônio, o vice presidente Geraldo Valgas, a secretária de mulheres, Maria Ferreira e a secretária de igualdade racial, Margareth da Silva. Além desses, também participaram do Congresso os dirigentes do sindicato de BH/Contagem Wilton Gonçalves e Maximiliano Machado Gonçalves (Max), além do companheiro Ubirajara de Freitas (Bira), Osvair de Juiz de Fora, Quirino de João Monlevade, Antônio Marcos de Juiz de Fora, José dos Santos (Piauí) e Christiane Aparecida de Pouso Alegre e Alexandra Amaral de Extrema.

“A troca de experiências e informações com os sindicatos de todo o continente é muito enriquecido para aprimorar o nosso trabalho junto aos metalúrgicos e metalúrgicas de Minas e também é mais um espaço para divulgar para o mundo o ataque que o país e principalmente os trabalhadores brasileiros estão sofrendo através do golpe parlamentar patrocinado pelo judiciário e pela mídia”, disse Marco Antônio, acrescentando, “vivemos num mundo e numa economia globalizada e queremos os benefícios também globalizados”.

Criada em 2012 a partir da fusão de três federações internacionais – metalúrgicos, químicos/energia e têxteis –, a IndustriALL representa 50 milhões de trabalhadores ligados a 600 sindicatos em todo o mundo. Desse total, cerca de 6,5 milhões são brasileiros.

Nas resoluções aprovadas, o compromisso de combater a precarização e a degradação no trabalho na indústria – aliás, o 2º Congresso foi encerrado na data que marca o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Precário –, de fortalecer a organização sindical setorial, de abrir espaços para jovens e mulheres no meio sindical do ramo [ficou assegurado, inclusive, cota de 30% para mulheres na direção da federação, com a meta de no próximo Congresso, em 2020, debater a ampliação para 40%], e de ampliar o apoio à organização sindical em nações onde sindicalistas são perseguidos e ameaçados.

femindustriall2Enfim, a tarefa primordial da nova direção da IndustriALL – que tem o metalúrgico da CUT Valter Sanches à frente da Secretarial Geral é colocar a estrutura da entidade a serviço da solidariedade de classe.

Comentários foram encerrados.