IMG_3117

Patronal insiste em não valorizar trabalhador

Durante reunião de negociação da campanha salarial unificada 2014, realizada nessa segunda-feira (20), a Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG) recusou a propostas dos trabalhadores de reajuste salarial de 10%.

Ao informar a recusa, a FIEMG apresentou uma nova proposta. Desta vez a patronal ofereceu aos trabalhadores reajuste de 5,5% para empresas com até 50 funcionários e 6% para empresas com mais de 50 trabalhadores.

Além de apresentar esta proposta que não repõe a inflação do período, a patronal ainda quer dividir esses percentuais, pagando 4,5% no final de outubro deste ano e 1% em março de 2015, no caso das empresas com até 50 empregados. Para empresas com mais de 50 trabalhadores seria 5% também em outubro de 2014 e 1% em março do ano que vem.

As federações FEM/CUT-MG, FITMETAL E FEMETALMINAS, representantes dos trabalhadores do Estado de Minas, não aceitaram a proposta.

É fundamental que haja a mobilização dos trabalhadores nas atividades de campanha dos sindicatos. A patronal não quer valorizar e reconhecer o empenho dos trabalhadores. Esta constatação é facilmente observada através das propostas de reajuste apresentadas. Somente com a participação e a luta de todos os trabalhadores (as) é que os metalúrgicos terão êxito em suas reivindicações.

A comissão de negociação representante dos trabalhadores vai se reunir no dia 30 de outubro, na Escola 7 de Outubro, às 9 horas, para discutir as estratégias da campanha.

No dia 31 de outubro foi marcada nova reunião na FIEMG, às 10 horas.

Comentários foram encerrados.