carteira trabalho

Saldo de emprego formal em março é o pior desde 2003 em MG

A criação de empregos formais em Minas Gerais teve o pior março dos últimos 11 anos. O saldo positivo no mês passado foi de 3.701 vagas, o que representou uma queda de 83% em relação a fevereiro e de 81,1% na comparação com o mesmo período de 2013. No mês passado foram 198,292 mil contratações contra 194,591 mil demissões. A última vez que o resultado foi tão ruim foi em 2003, quando foram abertas apenas 3.069 vagas no Estado. Os dados fazem parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado na quinta-feira pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Já no acumulado dos três primeiros meses deste ano foi registrado saldo positivo de 38,235 mil postos de trabalho, fruto de 623,684 mil contratações e 585,449 mil demissões. Porém, o resultado representa queda de 7,47% ante o primeiro trimestre de 2013 (41,326 mil novas vagas). Em 12 meses, o nível de emprego no Estado está positivo em 72,598 mil vagas, uma queda de 36,8%.

Conforme o levantamento do MTE, o setor de serviços contribuiu com a maior parcela (37,4%) na geração de emprego no Estado em março. No período, o segmento registrou 68,742 mil contratações e 66,266 mil desligamentos, uma diferença de 2,476 mil vagas. Em igual período de 2013, o setor obteve saldo de 7,718 mil empregos, volume 67,9% maior do que o registrado neste ano.

A agropecuária apareceu em segundo lugar, com saldo positivo de 2,438 mil postos de trabalho e fatia de 36% do superávit estadual do mês passado. O setor admitiu 15,594 mil trabalhadores e demitiu 13,156 mil pessoas. Na comparação com março do ano anterior, o nível de emprego no setor caiu 5,35%, uma vez que no período passado o saldo positivo foi de 2,576 vagas.

Já o comércio apresentou a maior queda no nível de emprego em março no Estado. No setor, o saldo negativo foi de 2,394 mil vagas no período, em conseqüência da contratação de 47,182 mil trabalhadores e da demissão de 49,576 mil pessoas no mês passado. Foram perdidas 1,553 vagas no setor na comparação com março de 2013, quando foram eliminados 841 empregos.

Em 2013, Minas Gerais registrou o menor saldo de empregos com carteira assinada nos últimos dez anos. No ano passado, foram criados 88,484 mil postos de trabalho, uma queda de 40% no nível de emprego entre 2012 e 2013.

Grande BH – Na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), o saldo de empregos foi negativo em março (-956 vagas). O resultado é ainda mais impressionante quando comparado com o mesmo período do ano passado, quando o volume de empregos criados na região chegou a 6,372 mil.

No acumulado dos três primeiros meses deste ano, a Grande Belo Horizonte acumula saldo positivo de 11,654 mil empregos, 6,1% abaixo do total registrado no mesmo período de 2013 (12,412 mil). Nos últimos 12 meses, a região gerou apenas 281 empregos, enquanto que em igual intervalo de 2013 foram abertos 38,934 mil postos de trabalho.

Na Capital, a situação não foi diferente. Enquanto em março deste ano o saldo de empregos ficou negativo em 246 vagas, em igual mês do ano passado o volume de emprego na cidade era positivo em 5,556 mil. Já no acumulado do ano, a variação do nível de emprego na Capital está positiva em 5,772 mil vagas, praticamente metade do total acumulado no mesmo intervalo de 2013: 11,010 mil. Nos últimos 12 meses, o déficit na criação de empregos em Belo Horizonte já chega a 10,275 mil.

Comentários foram encerrados.